Cafetão é melhor que jornalista

Meu quarto virou assim… num motelzinho. Nem foi opção, é mais pela maioria dos votos. Começa com a cor de uma das paredes, vermelho-sangue. Eu gosto da cor, mas a tinta sobre a textura acrílica dá muitas interpretações. Bem, vejo sangue escorrendo, mas um amigo vê vulvas e números imaginários. Estão por todos os lados. Tanto as vulvas quanto os números imaginários. Não para por aí.

As luzes direcionais são de puro erotismo em um quarto com parede vermelha. Instalei isso para favorecer fazer aquilo. Espelho no teto e cama redonda estão nos planos e penso no assunto seriamente.

O quarto poderia ser um rendimento para eu estudar fora. Uma placa na frente da casa: “Aluga-se quarto para rapidinhas”. Se bem que elas não precisam ser tão rapidinhas assim. Poderia fazer um acordo com os demais cômodos da casa e tornar o lugar todo bem agradável para fazer aquilo. A Dona Rita, limpadera, poderia servir café da manhã e comida caseira para os hóspedes inusitados.

A banheira dos meus pais encareceria o serviço. No meio da noite meus pais vêem duas pessoas passarem rapidamente pelo quarto, correndo para o banheiro. O negócio pode crescer até, quem sabe, realizarmos um antigo projeto: Uma casa de chups e treps. Cafetão deve ganhar mais que jornalista.

Mudei o meu plano de carreira.

Publicado por

Sgarbe

Jornalista, produtor de mídia, fã de arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *