Amar o trabalho

Em 1999, tive um amigo chamado Anderson que nunca mais vi. Eu engrenava no primeiro ano do Ensino Médio e ele era web designer. Naquela época, era mais difícil ter um computador e minha participação foi colocar um Intel Pentium 166 MHz com CorelDRAW comprado no mercado negro na sociedade.

Ninguém começa de cima, e nosso começo foi bem de baixo. Um calote por semana. Fui micreiro por uns meses, até pegar a manha. A dupla publicou um anúncio no jornal ofertando a criação de sites. O dono do Hotel Golden da Tiradentes entrou em contato comigo, ligando no fixo, quando Anderson já tinha desaparecido. Fiz fotos do lobby, dos quartos. Virou um site bonito, feito na unha. Eram tabelas e mais tabelas aninhadas, cortes precisos em gráficos, frames, e eu tinha 15 anos.

No Cefet, meu colega de classe Maicon se entusiasmou e fez da vida profissional dele uma dedicação às tecnologias. Até hoje gerência comunicação pela internet. No último chopp que tomamos, disse que eu o inspirei. Olha, meu filho. A gente costuma ver os goles dos outros, mas não os tombos. Quando o dono do Hotel Golden ficava puto por meus atrasos, ligava para minha mãe. Eu vinha aprendendo.

Logo da Câmara, criada em 1999.

Ainda naquela época, o primeiro trabalho decente que fiz no Corel foi a logo da Câmara de Vereadores de São José dos Pinhais. Ela ficou tão fofa que cruzou inúmeras gestões e hoje está no site, impressa em documentos e adesivada em carros oficiais. Lembro de passar horas experimentando recursos até chegar no resultado. O trabalho não me tomava tempo e não me exigia esforço.

Lembrei de como foi descobrir que o trabalho era a principal realização da minha vida. E de como eu posso ter me confundido a respeito desse tema nos últimos anos, especialmente quando outros donos do Hotel Golden preferem me gerenciar a partir da mamãe.

Nunca fiz trabalho nas coxas. Eu erro no trabalho. O que é absolutamente diferente. Mas isso minha família, amigos e clientes sabem com profundidade. Trabalhos originais requerem comportamentos originais. Amar o trabalho (não trabalhar igual um filho da puta pela fama, pela grana, pela cama) é original.

Arte: Site da Apple em 1999/ascendinbound.com.

10 respostas em “Amar o trabalho”

Lembro bem do Anderson boquinha. Nunca mais tinha ouvido falar. Relembrar que a logo da Câmara da minha bela é selvagem cidade foi feita por vc só reforça a imagem que tenho da tua genialidade! Ótimo texto!

O relógio desperta às 5hs:
Cansado mas é hora de levantar;
Mais um dia para sonhar com o futuro que vai chegar, logo ali ou lá?
Ônibus, gente, ruas, distâncias, longas caminhadas, calos nos pés, o tênis furado, descanso no meio fio, a fome que bate, a chuva que molha, a lágrima que escorre, o coração que aperta.
A caminhada é longa; a linha de chegada, chegou.
Sempre acreditei
Você é um campeão.

Quem o conheceu, podia claramente perceber que em alguma coisa boa iria resultar. Bom…está aí o menino prodígio… excelente profissional…!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *