Ratinho governa o atraso; ‘5.0’ dos anos 2000

O quanto sem fundo é a política do Palácio Iguaçu é um mistério. Mas, certo que é um mergulho no atraso. Para evitar uma vergonha desse tamanho ao Paraná, podíamos ter prestado mais atenção aos debates eleitorais. No caso de quem não se surpreende com a orientação de Ratinho Junior, mais que “bem que avisei” chega a hora de “bem avisar”.

Há alguns anos, conheci uma pequeníssima comunidade escolar em Pau D’Alho do Sul, no município de Assaí (PR). A condição das instalações era tão podre que chapas metálicas prestes a cair ameaçavam decepar os alunos. Por essa razão, as aulas de educação física estavam suspensas. O registro em vídeo é documento de valor inestimável.

No Boqueirão, bairro de Curitiba, a merenda chega à tarde. Arroz com carne moída. Houve um movimento muito interessante de uma professora para que os vereadores provassem a comida das crianças. Em um episódio incômodo, um político pediu para que servissem a ele somente o arroz, porque é vegetariano (ou algo que o valha). Um privilégio que não se estende aos discentes.

Quando a assinatura Ratinho não apareceu na carta do Fórum Nacional de Governadores, em abril, a justificativa foi triste. Algo que tinha a ver com não discutir ideologia. A contar pela incerteza de quem foi o candidato de Bolsonaro aqui, está cada vez mais difícil sustentar narrativa do “5.0” (um parlatório com as ideias mais legais do mundo, na opinião de quem participa).

No site do”5.0″ há uma uma descrição que parece escrita nos anos 2000. “É compartilhar informação. A um clique, na palma da mão”. É, na realidade, de cair o cu da bunda.

O governo do Paraná tem se apresentado, para todos os gostos políticos, mais ou menos “ideológicos”, como inepto para fazer perguntas pertinentes ou mesmo propor de maneira mais prática, realizável, as super-soluções que são a última bossa.

Não se engane, escrevo principalmente sobre o Fundeb.

Primeiro, inépcia na comunicação eleitoral; depois, inépcia na comunicação política; inépcia na defesa das instituições democráticas, na recusa de participação em um texto histórico; inépcia na manutenção de negócios por linhas de crédito especial (ou, no mínimo, justificativas verossímeis para a ausência delas). E agora fica contra a educação básica.

Foto: Ari Dias/AEN.

 

2 respostas em “Ratinho governa o atraso; ‘5.0’ dos anos 2000”

Mistérios e descasos; negligência e inércia! A República do Estado Democrático brasileiro está em crise. Ideologias, a implementação de discurso materialista guela abaixo: a filosofia mecanicista aterrando a consciência coletiva de toda uma nação! Parem os relógios! Que lugar ocupará a República Federativa do Brasil nos quadros da HISTÓRIA UNIVERSAL?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *