Desculpe, eu não tinha percebido. Eu confundi você com outra pessoa. Mas não uma outra pessoa, quero dizer. Alguém que eu inventei. Então, você não tem culpa. É algo meu, totalmente. Sabe, de tempos em tempo eu vou achando que nossa agora chegou a minha hora, sendo que essa hora já morreu, já nem existe mais. Porque agora é outra hora. Veja bem o relógio. Eu sei, pode rir. Eu também acho isso bem estranho, mas é assim que funciona. É assim que a banda toca.

Justamente. Eu quis tocar você. Foi isso. Acho que você matou a charada. E. Quando você me diz que seu último namorado não foi bom contigo, eu fico pensando, como que pode um cara ser tão burro? Você é linda, começa por aí. Sério. Eu acho você linda. Toda vez que eu te vejo eu fico fantasiando que estamos namorado. Só que eu não saio contando por aí, vão me chamar de louco. Pronto, o, como que se diz, o stalker. Jonny Stalker, o whisky. Falando assim eu pareço aquele piá retardado da internet? Piá é tudo podre, não adianta. Eu me sinto um burro perto de você.

Você me trouxe umas garantias. Uma é a que eu sou mesmo infeliz no amor. Essa é uma coisa que meio que eu não tenho esperança mais de mudar. Hahaha. Tá, eu paro. Mas é um papinho, né? Dolanguinho. Vai que você se comove e me dá um beijo. Hahaha. Eu tô rindo de nervoso, não aguento mais levar toco.

Vá à merda. O diabo que te carregue.