Exercício anti-hipérbole: significado de nazismo

Altjo Anton Buist (adulto) e os netos, no Brasil.

Altjo Anton Buist e os irmãos dele foram presos pelo exército nazista na Holanda e levados a um campo de concentração na Alemanha. Receberam um número na pele, que servia, dentre outros fins, para o sorteio de uma chacina de rotina. Dez pessoas eram executadas diariamente, na frente dos outros encarcerados. Até que a sorte sorriu para um dos irmãos.

Depois do horror, Buist e os parentes que sobreviveram conseguiram pular a cerca. Passavam o dia submersos em qualquer água que servisse de esconderijo, respirando por canudos de grama. Durante a noite, corriam para cruzar a fronteira e voltar para casa. Quando chegaram, sequer avisaram qualquer pessoa.

Permanceram seis meses em porões, nus, cobertos por gordura animal para despistar os cães farejadores do fuhrer. Até que terminou a guerra.

Terminou a gerra.

Chegou ao Brasil. Hoje, o filho Klass Buist mora em Carambeí (PR), em frente à fábrica de ração.

4 comentários

  1. Segundo um médico que consultei há 3 anos, o holocausto não existiu e os alemães davam sopa de pedra aos judeus para aumentar sua imunidade.
    No caso, esse médico tem especialização em endocrinologia e não identifiquei sua descendência.
    Como você, estou aprendendo a narrar o fato e não me posicionar.
    Mentira!!! Saí no meio da consulta e a secretária me ligou depois porque não entenderam o que aconteceu.
    ???

  2. Negar a história tem sido um exercício constante neste mundo, por quê? Quais crenças que essas pessoas têm? A nossa história ensina o quanto o ser humano pode se cruel. Será que o nazismo acabou,?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *