Carta a Benjamim, o menino que driblou a cesariana

Pintinho. Foto: Toni Cuenca.
Esta imagem não corresponde à aparência de Benjamim. Foto: Toni Cuenca.

O médico Henrique Alvaro Hoffmann cuidou de uma gestação extraordinária. Resumindo, o neném estava ganhando peso devagarzinho, e houve quem aconselhasse “marque a cesárea”. Não era, nem por um segundo, a vontade da grávida.

Outro pé, pesquisas recentes davam a Benjamim a chance de, no tempo dele, sair por conta própria. O doutor apostou na ciência e deu boa.

Veio ao mundo para seguir a tradição de se obedecer a gritos de mãe. Ah, ah, ahhh. Ploft na maca, e nhééé.

A história comoveu tanto que escrevemos uma mensagem. O escritor Luca Rischbieter saiu com “tomara que o piá fique analfabeto, para não precisar ler esta carta”. Em seguida autografou uma coleção de livros que provavelmente são a primeira biblioteca do rebento.

Ficou assim.

Benjamim, não temos a menor ideia de quantos anos vai durar o mundo, e a volta de Jesus Cristo é incerta. Vão te apresentar muitos jeitos de superar essa dúvida, experimente todas, retenha o que é bom.

Ouça boa música. Elas podem te dar coragem para os momentos difíceis. Você vai saber bem quando esses momentos chegarem. De uma altura em diante, você não sabe se foi você quem escreveu as músicas dos outros compositores. Provavelmente foi. A tua imaginação tem o poder de transformar teu mundo. 

A indústria fonográfica e a obesidade são efeitos colaterais da dominação dos Estados Unidos no ano do teu nascimento. Evite pedir dois sanduíches nas lanchonetes, e jamais o combo com fritas e refrigerante grandes. 

Se você aprender a plantar qualquer coisa na terra e a cozinhar meia dúzia de receitas, estará pronto para cuidar dos outros. Nisso não tem segredo. 

Junto a esta carta te enviamos um livro sobre a conservação do planeta. O autor, Luca, é teu amigo também. 

Para identificar as pessoas que vão te ajudar a viver, tem aqui um macete infalível: você as encontrará trabalhando. Pode ser um diagramador, um médico ou até mesmo um bombeiro. Além dessas pessoas, você sempre terá tua família. 

Não importa quem você seja ou faça, contanto que esteja sempre perto das pessoas que te deram a vida. Teus pais sempre serão maiores que você. Se você levar isso a sério, pode esperar a mesma medida dos teus filhos. 

Ter filhos é um ato de bravura. Quando você menos espera eles estão lá, nascendo em outra cidade. Um homem poderoso, Benjamim, é pai de países inteiros. 

Quando a agonia da escola te aborrecer, lembre que todos nós sobrevivemos às provas e às reprovações. Não costumam nos avisar com frequência, mas a verdade é que fracassar é parte do que nos define como homens. Às vezes fracassamos miseravelmente. 

Para as horas de miséria, certifique-se de ter teus melhores amigos mais chegados que irmãos. Eles vão chorar por tuas tragédias, mas somente antes de te lembrar do mimado que você demonstra ser. Viaje com eles. Não tem escuridão que não se ilumine quando se vai à praia com os amigos. 

A vida não pode ser boa ou má, ela é vida, não precisa de nenhum adjetivo, nenhum título. 

Escreva cartas. Visite idosos. Seja merecedor do bastão que eles vão te passar. 

Um brinde a tua vida, Benjamim! Você é muito amado! 

Henrique A. Hoffmann e Vinícius M. de C. Sgarbe
16.jan.2021

3 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *