Morre Jaime Lerner, 83; amigos e adversário falam ao Lab

Jaime Lerner. 1937-2021.
Obrigado, Jaime!

Estou chorando muito aqui. Jaime era o filho favorito da minha mãe.

—Luca Rischbieter, pedagogo e escritor. Filho de Fanchette Garfunkel Rischbieter, que nomeia, por decisão de Jaime, o Jardim Botânico.

Me tocou profundamente o falecimento do meu contemporâneo, na vida e na política, Jaime Lerner. Tínhamos concepções diferentes da política e da administração pública, mas ninguém pode ocultar, deixar de considerar, o brilho e o talento do Jaime Lerner na administração de uma cidade, dentro da visão liberal que ele tinha no processo político. Sinto profundamente a morte do Jaime, e ao mesmo tempo tenho a certeza de que na história do Paraná e da nossa cidade de Curitiba ninguém poderá desprezar a contribuição inteligente, fundamentalmente na criação do mobiliário urbano, icônico, que o Jaime teve. Eu e a minha família estávamos torcendo pela sua recuperação. Vai com Deus Jaime.

—Roberto Requião, ex-senador e ex-governador do Paraná. (Repercutido pelo jornalista Roger Pereira em Gazeta do Povo.)

Dias tristes. O Paraná perdeu hoje Jaime Lerner. Um homem à frente do seu tempo. Um urbanista visionário e um político arrojado. Reconhecido internacionalmente, Lerner deixou marcas que transformaram Curitiba e o Paraná. Com ele, tive a honra de ser a primeira mulher a chefiar o escritório do Paraná em Brasília. Obrigada, meu grande amigo, pela oportunidade, pelas palavras sempre amáveis e pelos sábios conselhos. Meus sentimentos a Andrea, Ilana e a todos os familiares. Descanse em paz.

—Cida Borghetti, ex-governadora do Paraná.

Foi um visionário extraordinário. A força de sua inspiração e de seu trabalho é imensa: ele transformou Curitiba, no seu ‘corpo’ (parques, vias, museus) e na sua ‘alma’ (alegria, cosmopolitismo, inovação, etc). Foi um gigante, com um impacto de nível internacional.

—Guilherme Cunha Pereira, presidente do Grpcom.

O maestro do ‘fazer acontecer’ as boas ideias.

—Luís Henrique Fragomeni, professor e arquiteto, ex-presidente do Ippuc.

Sinto uma tristeza imensa! Fará falta a pessoa, mas a imagem e história dele são eternas. Tive a honra de trabalhar lado a lado do homem criativo, humano e especial que era Lerner. Trabalhamos juntos, e da prancheta e do papel saíram os esboços que viraram o Memorial da Cidade no Largo da Ordem. Tudo a partir da ideia de uma araucária. Sou fã eterna. E já sinto saudade.

—Gabriela Cn Curi Antoniuk, arquiteta.

Sobre o Jaime é difícil de falar. Eu até botei umas palavras no Facebook, não dá pra não falar né, para não agradecer a uma pessoa que foi tão importante. Eu estou vendo no Facebook como tem gente, pessoas diferentes dele, que têm opções, ocupações e de lugares diferentes, que conectaram com o Jaime de maneira diferente. (…) Eu acho que esta é a maior capacidade dele: conectar pessoas e atrair pessoas.

—Geraldo Pougy, arquiteto.

Jaime Lerner foi um urbanista único. O equipamento urbano e a Família Folha marcaram uma geração. A história de Jaime e de Curitiba se confundem em vários momentos. Perdemos um arquiteto genial.

—Valdemar Bernardo Jorge, secretário de Planejamento e Projetos Estruturantes do Paraná.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *