Defender a infância é uma ação de todo dia, não de memorial

Caiu no meu colo o Plano Decenal dos Direitos da Criança e do Adolescente do Estado do Paraná (2014-2023), com 450 páginas. Minhas impressões começam pelo revés: antes de dar nomes às pessoas que realmente colocaram a mão na massa, vem uma lista infinita de políticos. Chato!

Em tendo superado esse trecho, o que se lê é um deleite para acadêmicos, gestores públicos e defensores da infância. São informações claras a ponto de se anotar: “sobre tal assunto não temos informações”. Mas me permita contar o motivo do meu comentário.

Embora a tal lista de políticos me cause certa náusea (pela hierarquia invertida das coisas, o mérito é dos técnicos que escreveram, primeiro vem o nome do autor!), a assinatura deles é essencial.

Não somente a assinatura, mas um comprometimento que passe por isto: a legislação não muda a realidade, planos não mudam a realidade, mas a ação diária muda, sim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *