Ao amor que me diz ‘foda-se o Instagram’, só penso em você

Uma pessoa em frente a uma janela. Foto: Harvey Robinson.
Uma pessoa em frente a uma janela. Foto: Harvey Robinson.

Hoje, nossa casa tem um cheiro gosto entre incenso “de igreja” (é como me vendem as pedrinhas na lojinha do Santuário) e amaciante de roupas. Apesar de jamais ter ouvido qualquer reclamação sobre fedor de cigarros aqui, sinto que aquela fumaça podre se havia impregnado a longo prazo. Parei de fumar.

Quando contei a Racca sobre o uso de adesivos contra o tabagismo, ele respondeu com uma gargalhada gostosa, disse “depende de onde se cola”. Logo imaginei a boca tapada por fita crepe. Teria sido mais barato que comprar remédio.

Sinto sua falta em todos os intervalos do meu dia. Enquanto encho a caneca de café, ou vou ao banheiro, ou nos caminhos de ida e volta para o almoço, ou quando tenho a ousadia cozinhar (se depender de mim, viveremos a base de coisas simples de preparar) — basicamente, meu dia são essas atividades intercaladas por trabalho —, só penso em você.

De uns anos para cá, caí em uma cilada terrível de parecer uma pessoa feliz. Isto é, acho que tomei por verdade a ideia de fazer coisas complexas, que demandam um tanto e meio de inteligência, como quem brinca com uma “mola-maluca” (lembra da mola-maluca?).

De qualquer maneira, não acho que os graus de dificuldade das coisas sejam assunto, embora eu esteja contando isso para você agora.

No geral, mulheres e homens que têm vivência profissional agem assim, mas não “enfeitam o pavão”. A cilada não é ter “autoestima humilde” (estou lendo um livro do Michel Esparza que é um soco na boca do orgulho), mas achar que tenho o desapego, a auto-suficiência, a felicidade do Instagram. Não tenho, você sabe — risos. Sei que uma parte do que você gosta em mim tem a ver com isso, de qualquer modo. Se eu pudesse, ficava só com você.

Por enquanto, as duas pesquisas que toco, em duas universidades, tomam uma energia descomunal do meu raciocínio. Em uma, sou convidado a olhar para o mundo de um jeito “desamparado”, que é na filosofia. Em outra, estamos todos em uma área de estudo nova e parece que ninguém sabe exatamente para onde está indo (e é exatamente esse o “campo”, a instabilidade da comunicação).

Não vejo a hora de encontrar você para não fazermos nada além das coisas que já fazemos, só que inteiros porque não nos faltamos. Sonho com você me dizendo que foda-se o Instagram.

Espero você sempre. Um beijo.

2 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *