O telejornalismo pode ajudar no aprimoramento da língua?

Será que elas falam direitinho? Foto: CoWomen.

A língua do jornalismo pode ser um jeito de afiar a comunicação. Embora o verbo “haver” seja comum na fala, porque serve para substituir o “ter”, é raridade quem o utiliza na forma correta quando está no plural. Os exemplos a seguir estão na forma correta:

Havia três homens na casa.

Havia muitas folhagens na sacada.

Havia mais de trezentos mortos, ao todo.

Fácil quem erra esse, à exceção de jornalistas. Também somos muito bons em concordâncias verbais e nominais. Mas não se trata de autoelogio.

Em minha experiência de vida, restrita, pessoal, tenho a impressão e que quando elaboramos bem o que queremos falar ou escrever ficamos com as contas emocionais pagas. Isto é, mais importa que a mensagem saia o mais preciso que houvesse.

A gramática jornalística é simples, e

um vocabulário rico não quer dizer rebuscado”.

Michelle Thomé, jornalista e analista transacional.

É claro que às vezes é preciso voltar às coisas bem fundamentais. Assisti a uma reportagem linda do nacional na qual o repórter explicava o que é uma “hipótese”. Não lembro qual era a hipótese, mas lembro de entender o que é hipótese.

Em relação à integração linguística com a internet, temos um impasse. Estamos dispostos a falar e escrever errado em troca de interações?

Como é possível, então, falar de ‘erro’ se a construção não causa estranheza a falantes cultos e é perfeitamente assimilada do ponto de vista semântico e pragmático […]?

Marcos Banho, 2005. “Preconceito linguístico”, pág. 113.

Falando “erro”, querido Marcos. A redação noticiosa não pode perder mais acuidade que isto: a significação das palavras é antiética. Quando se fala de “bom”, fala-se de “bom e mau”. Quando se fala de “branco”, fala de “branco e preto”.

Vamos cortar a fala de um entrevistado que fala mal? Não. Vamos falar igual ele? Não. Adiante, sugestões de uso imperativo dos verbos:

Assista ao próximo episódio depois do intervalo.

Clique no link que está no rodapé do site.

Envie sua foto e participe do programa.

Vamos voltar à identidade substancial do ser jornalista?

Automatização da notícia: o que os robôs fazem melhor

Operador de empilhadeira trabalha. Foto: National Cancer Institute.

Em 2009, sob o título “Eweb: jornalismo digital padronizado“, quatro estudantes de comunicação social da PUCPR (eu era um deles) fizeram uma série de vídeos para a internet, como projeto de conclusão de curso.

Na produção, a técnica de cinema é uma tragédia universitária com requintes de cópia pirata do 3D Max instalada em um computador de leitura.

Em formato 16:9, reprodução da primeira tela da série animada em 3D Max.

É preciso menos de um minuto do primeiro vídeo para que “foco no usuário” apareça em destaque. À época de telefones BlackBerry serem a única rede criptografada, e de jornalistas e publicitários colonizarem no Twitter, chegar a tal conclusão pelo suporte de uma graduação em comunicação é no mínimo muito bom.

Hoje, o marketing digital e o modelo de plataformas de negócios sugerem que jornalistas continuem a fazer o que sempre fizeram eticamente e com inteligência.

Eu não vejo as pessoas procurando a internet para análises mais profundas, para algo que as faça refletir. O texto na internet vai saciar para aquela informação que atualize e que possa ser passada adiante.

Michelle Thomé, em entrevista ao Eweb, em 2009.

Michelle Thomé previa, com palavras próprias, os primeiros ensaios da pós-verdade e da política quântica. Ambas são, bem grosseiramente, quando opiniões e fatos têm o mesmo peso. É o “importa que eu me expresse”.

Lead americano

Homem lê jornal. Foto: Myznik Egor.

Mas algo tinha ficado de igual. O jornalista Luiz Oliveira cuidava da parte digital do jornal Gazeta do Povo, e, para ele, o texto na internet mantinha o formato criado pelos americanos.

O lead, amplamente apreciado pelas características de encadeamento das informações e otimização do tempo de leitura, responde às perguntas básicas:

  • o quê,
  • quem,
  • como,
  • quando,
  • onde, e
  • por quê

(como uma ou outra variação).

No ano seguinte à publicação de Eweb, Sharon Jeanine Abdalla pesquisou para a Universidade Federal do Paraná “Lead e pirâmide invertida: a influência do modelo americano sobre o jornalismo paranaense“. Ela entrevistou o jornalista Aroldo Murá G. Haygert.

Não adianta ter lead e essas técnicas direitinhas se o jornal for uma porcaria. (…) O jornal hierarquizava os títulos, eles tinham número de batidas, o que era muito difícil, na época. Quando você trabalha com tipografia é complicado, com o computador, hoje, é mais fácil fazer isso.

Jornalista Aroldo Murá G. Haygert.

Robôs podem escrever

Há mais de dez anos, Eweb discutia a tendência de automação do jornalismo, a partir do lead. Escritos e aprimorados os parâmetros, dados de realidade poderiam ser atualizados automaticamente, quer por motores de busca, quer por APIs (que são um tipo de conexão entre bancos de dados).

Um exemplo. A polícia rodoviária forneceria em tempo real o número de acidentes, multas, prisões no trânsito, etc. Os sites de notícias reproduziriam, por painéis temáticos, matérias, notificações, o que fosse, conteúdo que dispensa o trabalho intelectual. Robôs escreveriam:

“Duas pessoas foram presas por digirir sem carteira de habilitação, durante feriadão”;

“Fila na BR-277 tem fila de 2 km no sentido litoral, a partir do Jardim Botânico”;

“Emergência: neblina na entrada da Serra do Mar reduz visibilidade a 5 m”;

Fica para jornalistas

Duas cadeiras. Uma de frente para a outra. Foto: Steve Halama.

O repórter dispensado do link à beira da BR teria tempo para propor o que as máquinas não fariam de maneira inédita, como reportar sobre as consequências transgeracionais de mortes violentas. As famílias repetem o padrão de morrer na estrada?

Ou coisas rotineiras.

  • Quanto o governo investe em campanhas educativas?
  • Quanto tempo duram?
  • Como é medido o alcance?
  • Quais pesquisas são utilizadas para a criação?
  • O contribuinte pisa fundo por pagar pedágio?
  • Quem é multado por alta velocidade gosta de dirigir?
  • Quando as telefônicas vão instalar internet até a praia?

Copiados por franceses 😏

A trilha sonora utilizada em Eweb é do álbum “Deep Cuts“, lançado em 2003, dos irmãos suecos de “The Knife“. Em 2020, a televisão estatal francesa Franceinfo utilizou uma das músicas desse álbum para a chamada de um programa.

Para desistir do jornalismo é preciso mudar as concessões

Respekt.

Não levo a internet a sério, agora. Antes, o espaço público de comunicação era mediado pela ética ou pela falta dela. Era o modelo “feixe” de emissoras. Para toda sorte, tinha um jornalista experiente que calculava o impacto da notícia para a empresa e para o repórter.

Ocorrem-me duas perspectivas. Na primeira, a inteligência artificial pode fazer coleta, tratamento e apresentação de dados. A figura do apresentador do tempo pode ser superada por apps, tanto quanto a redação de notas. Um robô bem ensinado escreve bem a partir de releases.

Depois, que o funeral do jornalismo terá de esperar uma mudança na legislação. Pelo IBGE, 87,9% dos lares brasileiros tem rádio, e 93% televisão. Apesar da receita de publicidade ter diminuído significativamente, uma TV brasileira lidera o mercado, à frente de Facebook e Google.

Obrigações no texto

É comum do patrão de comunicação social apregoar o terríveis os tempos de agora, desde o dia um do negócio. Ora, se a produção de noticiário profissional em 2021 é contemptível, tratemos de reorganizar as concessões. Pau que bate em Chico.

No Decreto de 1983, do último presidente da ditadura, João Figueiredo (o que preferia cheiro de cavalos a cheiro do povo): “não transmitir programas que atentem contra o sentimento público, expondo pessoas a situações que, de alguma forma, redundem em constrangimento”.

“Nem o papa, Maria da Graça, nem os santos, ninguém pode no mundo responder sem pestanejar à pergunta”: os jornalistas são mais capazes que publicitários e analistas de dados para limpar a sujeira das bolhas?

Afetividade: o diferencial do repórter da década de 2030

Golfinhos têm sentimentos em comum com humanos.

Ainda nos anos 2010, o jornalista parnanguara Luiz Geraldo Mazza comentou em uma emissora de rádio, em Curitiba: “tem é pouca informação, precisa de mais”. Inteligente e descolado, ele faz noticiário desde os anos 50 – e está em pé feito uma araucária. Na ocasião, ele se referia a um tipo de reportagem que era substituível. Isto é, como uma descrição de repórter poderia ser melhor do que uma transmissão em vídeo, ao vivo?

As pedras do passeio público sabem que as câmeras de monitoramento e aquelas que são acopladas ao celular mudaram nossa maneira de consumir notícias, porque os vídeos dessas câmeras ilustram, recorrentemente, as capas dos sites e o horário nobre da televisão.

Integração tem a ver com relações interpessoais e um senso de abastecimento interior suficiente para atravessar momentos delicados. 

Mas, nem tão depressa. Não se trata do fim da atividade como aconteceu com a cobrança pelo tíquete do estacionamento. O repórter desta década é ainda mais necessário do que foi na anterior, já que os sonhos de Mazza se concretizaram. Um dos desafios mais proeminentes é o de permanecer relevante para si mesmo, para os propósitos que o levaram a marcar na inscrição do vestibular: “Jornalismo”.

Um repórter multimídia não é necessariamente um repórter integrado. Uma redação multimídia não é sinônimo absoluto de redação integrada. Multimídia é gravar para o vídeo, escrever para o blog, fotografar com alguma qualidade. Integração tem a ver com relações interpessoais e um senso de abastecimento interior suficiente para atravessar momentos delicados.

Os três estados do ego

Nas primeiras páginas do livro “O que você diz depois de dizer olá?”, o psiquiatra Eric Berne apresenta três tipos do que chamou “estados do ego”. A gente tende a lembrar de teorias análogas, em busca de paralelos. Por outro lado, eu te convido, leitor, a ficar no “aqui e agora”, como uma maneira de colocar em prática o que a análise transacional (nome da principal teoria de Berne) propõe. Quando nos comunicamos a partir do “estado do ego adulto”, analisamos o ambiente objetivamente (enquanto nos estados “pai” e “criança” a cabeça está em referências passadas).

Longe de precisar de dez páginas de introdução, mais vinte sobre metodologia e trinta que ninguém mais quer ler, a análise transacional oferece uma abordagem para se aplicar imediatamente. É uma simplicidade sofisticada que serve de parâmetro para cada frase pronunciada por um repórter. É quando se pode colocar no espelho a velha prática de “separar o joio do trigo, e publicar o joio”. Ela serve ao ofício como um todo, como filosofia de vida indicada para jornalistas.

No mundo das lives e das redações competitivas, há também a delicada questão da pós-verdade. Chamo de delicada porque, de algum modo, a concepção dessa ideia é embaraçosa. É como se o renomado “jornalismo burguês”, chamado assim pela Escola de Frankfurt, perdesse o rebolado frente à comunicação de “rede”, em vez de “feixe”. E tal rede, como muitos de nós que interagimos sem nenhuma necessidade de um estímulo matriz, como uma manchete, por exemplo, está mais enfocada em como se sente em relação ao que consome do que com o grau de acuidade da apuração.

Onde fica o repórter

A academia de comunicação tem olhado para a questão da afetividade e chama de “troca dupla” a relação entre orientadores e pesquisadores. Mas isso são palavras de artigos, mais ou menos como bandanas no homem invisível. Uma potente e criativa tradição de sucessão sempre houve nas relações de aprendizagem – de um modo mais ou menos útil. Conta-se que no passado, ao estagiário que acabava de chegar à tevê, era pedido que fosse à emissora concorrente pedir uma “régua de colorbar” emprestada. Nunca vi isso acontecer de verdade, mas é um tipo de humilhação que, mesmo imaginada, faz parte do folclore corporativo.

Quando se sai da redação com uma ideia fixa de pauta, não existe relação com a fonte. Existe o risco da ficção, da superficialidade e, por que não, do mau-caratismo. 

Com a profissão de jornalista a tiracolo, o indivíduo repórter tem as próprias transações potencializadas. É dele o relacionamento com o cliente do conteúdo patrocinado, com o editor com quem discutirá o que é ou não notícia, com o entrevistado. Neste ponto, leitor, é que a saúde intelectual e emocional do repórter tem a ver com aquele pessoal da rede do parágrafo acima que quer sentir as coisas e não colecioná-las.

Quando se sai da redação com uma ideia fixa de pauta, não existe relação com a fonte. Existe o risco da ficção, da superficialidade e, por que não, do mau-caratismo. Um repórter preparado para as tecnologias emergentes é, primeiro, consciente de si mesmo e da vocação que tem. Depois ele pode mexer no Instagram – e mostrar a diferença que faz um jornalista profissional .

Referências
BERNE, Eric. O que você diz depois de dizer olá?: a psicologia do destino. Tradução Rosa S. Krausz. São Paulo: Nobel, 1988.
FLUSSER, Vilém. Comunicologia: reflexões sobre o futuro. Tradução Tereza Maria Souza de Castro. São Paulo: Martins Fontes, 2015.
MARTINO, Luis Mauro Sa; MARQUES, Angela Cristina Salgueiro. A afetividade do conhecimento na epistemologia. MATRIZes, v. 12, n. 2, p. 217-234, 2018.

Publicado originalmente em Orbis Media Review.

Foto: Hiro Kitaoka.